quinta-feira, 31 de março de 2016

Quem Sabe... - Marco Prisco

Não se atribua a posse exclusiva da verdade.
- Quem sabe discernir descobre fragmentos e expressões da verdade em toda parte.
Poupe-se de parecer mais do que é.
- Quem sabe conhecer-se está informado de que há pessoas mais e menos dotadas, portanto, melhores e piores do que ele próprio.
Nunca se suponha indispensável.
- Quem sabe servir não ignora que está produzindo sempre a benefício de si mesmo.
Elabore seus programas com antecipação.
- Quem sabe ser prudente está preparado tanto para o êxito como para o insucesso, mantendo-se tranquilo em qualquer circunstância.
Não sucedendo o seu trabalho conforme você esperava, conserve a serenidade.
- Quem sabe manter-se calmo ante o imprevisto supera o problema e domina a situação.
Você abraça uma filosofia existencial que afirma a sobrevivência após a morte.
- Quem sabe disso deve estar preparado a todo o momento, porquanto, vivendo hoje com elevação, amanhã prosseguirá com felicidade.


Livro: Sementes de Vida Eterna - Marco Prisco / Médium Divaldo Pereira Franco

Sinais de Alarme - Scheilla

Há dez sinais vermelhos, no caminho da experiência, indicando queda provável na obsessão:
quando entramos na faixa da impaciência;
quando acreditamos que a nossa dor é a maior;
quando passamos a ver ingratidão nos amigos;
quando imaginamos maldade nas atitudes dos companheiros;
quando comentamos o lado menos feliz dessa ou daquela pessoa;
quando reclamamos apreço e reconhecimento;
quando supomos que o nosso trabalho está sendo excessivo;
quando passamos o dia a exigir esforço, sem prestar o mais leve serviço;
quando pretendemos fugir de nós mesmos, através da gota de álcool ou da pitada de entorpecente;
quando julgamos que o dever é apenas dos outros.
Toda vez que um desses sinais venha a surgir no trânsito de nossas ideias, a Lei Divina está presente, recomendando-nos, a prudência de parar no socorro da prece ou na luz do discernimento.


Livro: “Ideal Espírita”, de Scheilla / Francisco Cândido Xavier

quarta-feira, 30 de março de 2016

A Semente da Mostarda - Emmanuel

“Se tiverdes fé do tamanho de um grão de mostarda” ... – assim falou o Senhor.

Importante indagar porque não teria o Mestre recorrido a outros símbolos.
Jesus poderia ter destacado a grandeza da fé, buscando quadros mais sugestivos.
A beleza do Hermon ...
A poesia do lago de Genesaré ...
O esplendor do firmamento galileu ...
A riqueza do Templo de Jerusalém ...
Todos esses primores da paisagem que o circulava ofereciam temas vivos para a exaltação da sublime virtude.
Entretanto, o Benfeitor Celeste toma a semente minúscula da mostarda, como a dizer-nos que sem o reconhecimento de nossa própria pequenez à frente do Eterno Amor e da Eterna Sabedoria não conseguiremos amealhar o tesouro do entendimento e da confiança que a fé consubstancia em si mesma.
A semente microscópica desaparece, em verdade, no seio da Terra, qual se fora inútil ou desprezível, todavia, não se abandona à inércia, por sentir-se relegada ao abandono aparente.
Confia-se às leis que nos regem e, na dinâmica da obediência construtiva, desvencilha-se dos envoltórios inferiores que a encarceram, germina, vitoriosa, e cresce para produzir, não para si mesma, mas, para benefício dos outros, num eloquente espetáculo de bondade espontânea, ante a majestade da natureza..
Possa o nosso coração, no solo das experiências humanas, copiar-lhe o impulso de simplicidade e serviço e a nossa existência será testemunho insofismável da magnificência divina cuja sublimidade passaremos então a refletir.
Cessemos nossas indagações descabidas e busquemos na Criação o justo lugar que nos compete.
Nem com o brilho do diamante, nem com a cintilação do outro ... nem com a sedução da prata, nem com a aristocracia do mármore, em que tantas vezes procurado simplesmente a ilusão do poder que a morte arrebata e modifica, mas, sim com a humildade viva do grão de mostarda que, arrojado à solidão da Terra, sabe vencer, desabrochar, florir e cooperar na extensão do brilho de Deus.


Livro: Construção Do Amor - Francisco Cândido Xavier / Emmanuel

Discernimento e Prodígio - Emmanuel

O Homem pode e deve ser:
Para o Ecologista – um protetor da Natureza.
Para o Médico – certa máquina formada de peças por estudar.
Para o Empresário – um cooperador no serviço.
Para o Professor – uma inteligência a ser cultivada.
Para o Escultor – um modelo vivo.
Para a Comunidade – um esteio da ordem.
Para a Caravana – um companheiro.
Para o Necessitado – uma esperança de socorro.
Para Jesus, porém, entre todas as criaturas, o Homem é o único ser capaz de raciocinar e discernir, assessorado pela vontade e pelo livre arbítrio, com a possibilidade de realizar prodígios, se quiser trilhar o caminho do bem e aceitar o dever que lhe cabe na condição de filho de Deus.

Livro: A Semente de Mostarda, Emmanuel / Médium Francisco Cândido Xavier

terça-feira, 29 de março de 2016

Lembrança da Caridade - Irene de Souza Pinto

Tanta vez, ei-los à frente,
Os nossos irmãos do mundo,
Face triste, olhar profundo,
Angústia a esconder-se em vão...
Recordam seres estranhos
Em luta desconhecida.
Multidão de alma sofrida,
Tresmalhada na aflição.

Esse nobre companheiro,
Acabrunhado e doente,
Quer trabalho inutilmente,
Precisa de pão no lar...
Mas tendo saúde estreita
Envergonhado, mendiga,
Não encontrou mão amiga
Que lhe pudesse apoiar.

Aquele sofreu pesares,
Que ninguém sabe, nem conta,
Penúria, sarcasmo, afronta
E a força se lhe desfez...
Buscando fuga e veneno
Hoje, o pobre em desalinho,
Chora, largado e sozinho,
Cansado de embriaguez.

Aquela irmã que se mostra
De porte elegante e eleito,
Às vezes, guarda no peito,
As marcas de férrea cruz...
Sob o colo em pedrarias,
Tanta vez em pranto e prece,
O coração lhe parece
Um pouso frio e sem luz.

Aproxima-se mais outra,
Tem mágoa, febre, cansaço,
Traz um filhinho no braço,
Pede o concurso de alguém...
Mãe valorosa e esquecida,
Anjo que chora e vagueia,
Implora à bondade alheia
A proteção que não tem...

Eis, mais além, a criança
Que segue desprotegida,
Flor de esperança e de vida
Despetalando-se al léu...
Urgem outras... Fazem bandos
De promessas desprezadas
À noite, ao vento, às estradas
Sob as lágrimas do Céu...

Enquanto o cérebro fulge
Por tudo aquilo que encerra,
Engradecendo na Terra
A luz dos seus próprios dons...
O coração compreensivo
Sem alarde, sem tumultos,
Louva o brilho dos mais cultos
E aguarda todos os bons.

Há! meus irmãos de caminho,
Que aceitais Jesus por Mestre,
Fitai a casa terrestre
Repleta de som e dor;
Vinde conosco!... Sirvamos,
A caridade no mundo
É o Cristo plantando amor.

De “União em Jesus”, de Francisco Cândido Xavier – Autores Diversos

Em Ti - Joanna de Ângelis

Porque te acontecem coisas desagradáveis e nem tudo corre conforme gostarias que sucedesse, não te creias fora do auxílio de Deus.
Ninguém que siga ao desamparo divino.
O que ocorre de prejudicial, neste momento, bendirás depois.
O insucesso de agora se transformará em bênção mais tarde, se souberes esperar superando este momento.
Deus está em toda parte e, obviamente, em ti e contigo também.
Procura encontrá-Lo, não somente nas ocorrências ditosas, senão em todos os fatos e lugares.
O desafio da evolução é proposta de vida a ser conquistada por cada um em particular, e por todos em geral.
*
Intenta retirar o melhor proveito do aparente insucesso, que se converterá em lição preciosa em teu favor, quando de outros cometimentos.
O homem é templo de Deus, qual ocorre com a Natureza.
Reserva-te a satisfação de ser cada dia melhor do que no anterior, de forma que Ele em ti habite e, sentindo-O, conscientemente, facultes que outros indivíduos também O encontrem.
Assim, não te concedas ideias perniciosas, nem te proponhas frustrações ou amarguras dispensáveis, no teu programa de redenção.

De “Episódios Diários”, de Divaldo Pereira Franco, pelo Espírito Joanna de Ângelis

segunda-feira, 28 de março de 2016

Perseverar - Bezerra de Menezes

...perseveremos no bem sobretudo.
...a estrada provavelmente se nos erigirá lodacenta ou agressiva pelos tropeços e espinhos que apresente ...
Perseveremos servindo para transpô-la.
...o ambiente terá surgido carregado de nuvens, na condensação de injúrias ou incompreensões que nos circundem...
Perseveremos ofertando aos outros o melhor de nós em favor dos outros e os outros nos auxiliarão para vencer as sombras e dissipá-las.

...ansiedades e esperanças nos visitam a alma, transformando-se em obstáculos para a obtenção da alegria que nos propomos alcançar...
Perseveremos agindo na prática do bem e, dentro desse exercício salutar de sublimação, surpreenderemos, por fim, a região de acesso às bênçãos que buscamos.

...as lutas e desafios se nos avolumam na marcha...
perseveremos na humildade e na paciência que nos garantirão a segurança e a tranquilidade das quais não prescindimos para seguir adiante.

...discórdias e problemas repontam das tarefas a que consagramos as nossas melhores forças...
Perseveremos na serenidade e na elevação, dentro dos encargos que nos assinalem a presença onde estivermos, e seremos aqueles ingredientes indispensáveis de união e de paz nos grupos do serviço de que partilhamos atendendo às obrigações que nos competem ao espírito de equipe.

...filhos, provas e tribulações, pedras e espinhos, conflitos e lágrimas, desarmonias e empeços existirão sempre na estrada que se nos desdobra à visão...
no entanto, se é fácil começar o apostolado do amor, é sempre difícil continuar em direção do remate vitorioso.

...perseverar é o impositivo de que não nos será lícito fugir...
Perseverar trabalhando e servindo, entendendo e edificando, aprendendo e redimindo...
...perseverar sempre de modo a nunca desanimar na construção do bem a fim de merecermos o bem maior.

Livro: Bezerra, Chico e Você - Bezerra de Menezes / Psicografia de Francisco Cândido Xavier.

Encontro com Divaldo - Haroldo Dutra Dias

A Diferença - Irmão X

A reunião alcançava a parte final, e, na organização mediúnica Bezerra de Menezes retinha a palavra.
O Benfeitor distribuía consolações, quando um companheiro o alvejou com azedume:
- Bezerra não concordo com tanta máscara no ambiente espírita.
- Estou cansado de ser hipócrita. Falo contra mim mesmo. Posso, acaso, dizer que sou espírita-cristão?
- Vejo-me fustigado por egoísmo e intolerância, avareza e ciúme; cometo desatenções e disparates; reconheço-me frequentemente caído em maledicência e cobiça; ainda não venci a desconfiança, nem a propensão para ressentir-me; quando menos espero, chafurdo-me nos erros da vaidade e do orgulho; involuntariamente, articulo ofensas contra o próximo; a ambição mora comigo e, por isso, agrido os meus semelhantes com toda a força de minha brutalidade; a crítica, o despeito, a maldade e a imperfeição me seguem constantemente.
- Posso declarar-me espírita-cristão com tantos defeitos?
O venerável Bezerra de Menezes respondeu sereno:
- Eu também, meu amigo, ainda estou em meio de todas essas mazelas e sou espírita-cristão...
- Como assim? - revidou o consulente agitado.
- Perfeitamente - concluiu Bezerra de Menezes, sem alterar-se.
- Todas essas qualidades negativas ainda me acompanham...
- Só existe, porém, um ponto, meu caro, que não posso esquecer.
É que, antes de ser espírita-cristão, eu fazia força para correr atrás de todas elas e agora, que sou cristão e espírita, faço força para fugir delas todas...
E, Bezerra de Menezes sorrindo:
- Como vê meu amigo, há muita diferença.


Livro: Momentos de Ouro. Pelo Espírito Irmão X, Psicografia de Francisco Cândido Xavier.

Ante o Mundo Melhor - Batuíra

O Trabalho será sempre o prodígio do Universo — a força que o entretém, a luz que o eleva.
Observemos junto de nós.
Tudo é trabalho para que a vida se nos transforme na bênção de cada dia.
Trabalha o sol e o mundo se equilibra. Trabalha o mundo e a natureza se renova para que os processos da evolução nos conduzam para o Mais Alto.
A fonte é bondade e a semente faz-se pão porque trabalha servindo.
Reflitamos nisso para que o repouso inoportuno não se nos infiltre no espírito por ferrugem destruidora.
No trabalho é que surpreendemos todas as oportunidades de progresso e melhoria a que nos endereçamos.
Aquele a quem servimos é quem realmente nos servirá.
Damos e recebemos. Isso é tão natural quanto plantar e colher.
Por isso mesmo, seja qual seja a condição em que nos achemos, o trabalho é caminho para a ascensão à felicidade justa.
A hora de que dispomos, a pessoa da estrada, o companheiro em serviço, o amigo e o adversário, constituem talentos potenciais que é preciso aproveitar para o bem, a fim de que o bem nos enriqueça de paz.
Não vacileis.
Atendamos aos imperativos do servir e estaremos no clima do obter.
Não há outra via para alcançar os nossos objetivos de ordem superior, senão essa.
O descanso existe por pausa de refazimento e reformulação.
Nada mais.
Recordemos semelhante verdade para que não lhe desrespeitemos a fronteira caindo na marginalização de nossas melhores forças.
Trabalhar, sim, e trabalhar sempre, porquanto, se tudo quanto existe agora de bom e de belo, aos nossos olhos na Terra, é fruto do esforço de quem agiu e construiu, o futuro, por reino de segurança e felicidade entre as criaturas, tão-somente surgirá por fruto de quem trabalha no presente, atendendo aos apelos do Cristo para que, em nos amando uns aos outros, nos façamos obreiros fiéis e devotados, no levantamento da Nova Era para um Mundo Melhor.

Livro: “Seguindo Juntos”, Batuíra / Francisco Cândido Xavier

sábado, 26 de março de 2016

Saúde e Equilíbrio - André Luiz


Para Garantir Saúde e Equilíbrio, Prometa a Você Mesmo:
I - Colocar-se sob os desígnios de Deus, cada dia, através da oração, e sustentar a consciência tranquila.
II - Dar o melhor de si no que esteja fazendo.
III - Manter coração e mente, atitude e palavra, atos e modos na inspiração constante do bem.
IV - Servir, desinteressadamente, aos semelhantes, conforme as suas forças;
V - Regozijar-se com a felicidade alheia.
VI - Esquecer conversações e opiniões de caráter negativo que haja lido ou escutado.
VII - Acrescentar pelo menos um pouco mais de alegria e esperança em toda pessoa com quem estiver em contato.
VIII - Admirar as qualidades nobres daqueles com quem convive.
IX - Olvidar quaisquer motivos de queixa.
X - Viver trabalhando e estudando, agindo e construindo, no próprio burilamento e corrigenda, de tal modo que não seja capaz de encontrar as falhas e os erros dos outros.

Livro: Passos da Vida - André Luiz / Médium Francisco Cândido Xavier

Trabalhemos Também - Emmanuel

“E dizendo: Varões, por que fazeis essas coisas? Nós também somos homens como vós, sujeitos às mesmas paixões.” – (Atos, 14:15.)

O grito de Paulo e Barnabé ainda repercute entre os aprendizes fiéis.
A família cristã muita vez há desejado perpetuar a ilusão dos habitantes de Listra.
Os missionários da Revelação não possuem privilégios ante o espírito de testemunho pessoal no serviço. As realizações que poderíamos apontar por graça ou prerrogativa especial, nada mais exprimem senão o profundo esforço deles mesmos, no sentido de aprender e aplicar com Jesus.
O Cristo não fundou com a sua doutrina um sistema de deuses e devotos, separados entre si; criou vigoroso organismo de transformação espiritual para o bem supremo, destinado a todos os corações sedentos de luz, amor e verdade.
No Evangelho, vemos Madalena arrastando dolorosos enganos, Paulo perseguindo ideais salvadores, Pedro negando o Divino Amigo, Marcos em luta com as próprias hesitações; entretanto, ainda aí, contemplamos a filha de Magdala, renovada no caminho redentor, o grande perseguidor convertido em arauto da Boa Nova, o discípulo frágil conduzido à glória espiritual e o companheiro vacilante transformado em evangelista da Humanidade inteira.
O Cristianismo é fonte bendita de restauração da alma para Deus.
O mal de muitos aprendizes procede da idolatria a que se entregam, em derredor dos valorosos expoentes da fé viva, que aceitam no sacrifício a verdadeira fórmula de elevação; imaginam-nos em tronos de fantasia e rojam-se-lhes aos pés, sentindo-se confundidos, inaptos e miseráveis, esquecendo que o Pai concede a todos os filhos as energias necessárias à vitória.
Naturalmente, todos devemos amor e respeito aos grandes vultos do caminho cristão; todavia, por isto mesmo, não podemos olvidar que Paulo e Pedro, como tantos outros, saíram das fraquezas humanas para os dons celestiais e que o Planeta Terreno é uma escola de iluminação, poder e triunfo, sempre que buscamos entender-lhe a grandiosa missão.

Livro: Pão Nosso – Emmanuel – Francisco Cândido Xavier

A Conquista - Joanna de Ângelis

Quando Jesus enunciou que é necessário tomar a sua cruz e segui-Lo, Ele propôs a conquista
da autoconsciência, a definição para assumir as próprias responsabilidades, ao invés de
permanecer-se divagando em torno de como encontrar o melhor processo para o equilíbrio,
que não se expressa em formas exteriores ou mediante as fugas de transferência de
responsabilidades, ou para os prazeres que se extinguem, por mais se prolonguem...
A psique necessita de apoio transcendente para proporcionar elementos dignificadores, por
intermédio da realidade em que todos se encontram mergulhados, elegendo aqueles que são
mais compatíveis com as aspirações e as possibilidades, de execução.
Todos dependem de Deus, porque, afinal, estamos mergulhados em Deus, sendo necessário
reconhecê-Lo as ações sociais, familiares, espirituais...
Quando indagaram a Jung se ele acreditava em Deus, respondeu com humildade e sabedoria,
que não necessitava de crer, informando: - Eu sei, não preciso acreditar...

Livro: Em Busca da Verdade - Divaldo Pereira Franco / Joanna de Ângelis

sexta-feira, 25 de março de 2016

A Mágoa - Joanna de Ângelis

À semelhança de ácido que corrói a superfície na qual se encontra, a mágoa desgasta, a pouco e pouco, as peças delicadas das engrenagens orgânicas do homem, destrambelhando-lhe os equipamentos muito delicados da organização psíquica.
A mágoa é conselheira impiedosa e artesã de males cujos efeitos são imprevisíveis.
Penetra o âmago do ser e envenena-o, impedindo-lhe o recebimento dos socorros do otimismo, da esperança e da boa vontade em relação aos fatores que o maceram.
Instalando-se, arma a sua vítima de impiedade e rancor, levando-a a atitudes desesperadas, desde que lhe satisfaça a programação vil.
Exala amargura e desconforto, expulsando as pessoas que intentam contribuir para a mudança de estado, graças às altas cargas vibratórias negativas, que exteriorizam mau humor e azedume.
***
Quem acumula mágoas, coleciona lixo mental.
Reage às tentativas de alojamento da mágoa nos teus sentimentos.
Não estás, no mundo, por acaso, antes, com finalidades adredemente estabelecidas, às quais deve atender.
Acompanha a marcha do Sol e enriquece-te de luz, não mergulhando na sombra dos ressentimentos destrutivos.
Sorri ante o infortúnio, agradecendo a oportunidade de superá-lo através dos valores éticos e educativos que já possuis, poupando-te à consumpção de que é portadora a mágoa.

Livro: “Episódios Diários”, de Divaldo Pereira Franco, pelo Espírito Joanna de Ângelis

Indignação - Haroldo Dutra Dias

Na Exaltação do Amor - André Luiz

Na marcha para o Reino Divino, o Amor é a Estrada Real. As outras vias são experiências que a Eterna Sabedoria traçou, ainda por amor.
Antes de você, o amor já era. Após você, o amor será. Isso, porque o Amor é Deus em tudo.
Viva, pois, a vida, amando-a para entendê-la.
Viver e amar... Amar e compreender... Compreender e viver abundantemente...Ângulos de uma vida só – a Vida Eterna.
Mas viver sem amar é respirar sem trabalho digno: querer com exclusivismo entontecedor é contemplar situações e circunstâncias com apriorismo que gera a enfermidade e a morte.
Se você sabe, portanto, o que é viver, por que não vive? Só vive realmente quem ama.
Só ama efetivamente quem age para o bem de todos. Só age para o bem de todos quem entende que o amor é a base da própria vida.
Fora dessa verdade há também movimento e ação, mas movimento e ação de sombra que tornará fatalmente à luz em ciclos determinados de choro, provação e martírio.
De você mesmo depende a própria viagem.

.
Livro: O Espírito da Verdade - André Luiz / Médium Francisco Cândido Xavier

Influências - Emmanuel


Todas as regiões da vida terrestre experimentam a influenciação espiritual de variados matizes.
Busquemos o concurso das forças que materializam o bem, associando-nos a ele, em todas as circunstâncias.
Se nada oferecemos de útil, que podemos receber das energias que difundem na Terra o suprimento dos recursos divinos?
Há sempre, no imo de nossa alma, o propósito de recolher as graças do Céu.
Quase todo espírito se julga o mais importante credor das bênçãos divinas.
Entretanto, ninguém consegue “alguma cousa” sem esforçar-se de algum modo.
Semente que germina, vencendo os empecilhos do solo, obtém, mais tarde, o favor do fruto.
A fonte que abandona o poço onde nasceu, arrojando-se para diante, na conjugação do verbo servir, alcança a grandeza do mar.
O homem que se destaca, pelo esforço na própria elevação, dirige-se para vanguarda de luz, convertendo-se em abençoado
instrumento dos Celestes desígnios, no progresso humano.
Ajuda aos outros e serás amparado pelos heróis do bem.
Semeia a fraternidade e conquistarás a influência benéfica de milhares de irmãos.
Obteremos sempre, de acordo com as nossas próprias obras.
Se o lodo transforma em lodo a terra que o visita, o fogo converte em fogo o combustível que o procura.
Não olvides que de ti mesmo depende a natureza das forças que te inspiram para o bem ou para o mal.
Se desejas descer aos abismos da sombra, encontrarás o auxílio das potências
que ainda se comprazem nas trevas, mas, se anseias pela subida aos montes da sublimação terás, contigo,
o socorro de todas as inteligências que já se consagram à luz.

Livro: Assim Vencerás - Emmanuel / Francisco Cândido Xavier

quinta-feira, 24 de março de 2016

O Instrumento - Emmanuel

Onde estiveres, agradece ao Senhor o instrumento da regeneração. Ninguém vive sem ele.
Aqui, é o esposo de trato difícil.
Além, é a companheira de presença desagradável.
Acolá, é o filho rebelde.
Mais além, é a filha inconsequente.
Hoje, é o amigo que confiou à incompreensão.
Amanhã, será o chefe áspero.
Depois, será o subalterno distraído.
Agora, é o companheiro que desertou.
Mais tarde, será o adversário, compelindo-te a inesperadas tribulações.
Silencia, aproveita e segue adiante.
A pedra recebe do martelo que a estilhaça a dignidade com que se faz útil à construção.
O metal deve a pureza que lhe é própria ao cadinho esfogueante que o martiriza.
Não olvides que o corpo é o santuário de possibilidades divinas em que temporariamente te refugias para assimilar a lição do progresso.
Cada caminho cede lugar a outro caminho.
Cada experiência conduz a experiência maior.
Toda prova é alimento espiritual e toda dor é impulso à ascensão.
Aprendamos a entesourar os dons da vida, respeitando os ensinamentos que o mundo nos impõe, na certeza de que entre a humildade e o trabalho, alcançaremos, um dia, os cimos da Luz.

De “Joia”, de Francisco Cândido Xavier, pelo Espírito Emmanuel

Eles Vivem - Emmanuel


Ante os que partiram, precedendo-te na Grande Mudança, não permitas que o desespero te ensombre o coração.
Eles não morreram. Estão vivos.
Compartilham-te as aflições, quando te lastimas sem consolo.
Inquietam-se com a tua rendição aos desafios da angústia, quando te afastas da confiança em Deus.
Eles sabem igualmente quanto dói a separação.
Conhecem o pranto da despedida e te recordam as mãos trementes no adeus, conservando na acústica do Espírito as palavras que pronunciaste, quando não mais conseguiam responder às interpelações que articulaste no auge da amargura.
Não admitas estejam eles indiferentes ao teu caminho ou à tua dor.
Eles percebem quanto te custa a readaptação ao mundo e à existência terrestre sem eles e quase sempre se transformam em cireneus de ternura incessante, amparando-te o trabalho de renovação ou enxugando-te as lágrimas quando tateias a lousa ou lhes enfeita a memória perguntando porque...
Pensa neles com saudade convertida em oração.
As tuas preces de amor representam acordes de esperança e devotamento, despertando-os para visões mais altas da vida.
Quanto puderes, realiza por eles as tarefas em que estimariam prosseguir.
Se muitos deles são teu refúgio e inspiração nas atividades a que te prendem no mundo, para muitos outros deles és o apoio e o incentivo para a elevação que se lhes faz necessária.
Quando te disponhas a buscar os entes queridos domiciliados no Mais Além, não te detenhas na terra que lhes resguarda as últimas relíquias da experiência no plano material...
Contempla os céus em que mundos inumeráveis nos falam da união sem adeus e ouvirás a voz deles no próprio coração, a dizer-te que não caminharam na direção da noite, mas sim ao encontro de novo despertar.

Livro: Retornaram Contando - Francisco Cândido Xavier / Emmanuel

Preço da Melhora - Bezerra de Menezes

Tudo tem um preço, no comércio e no convívio com a própria vida.
Se queremos subir, certamente haverá de aparecer o esforço.
O conhecimento da verdade requer trabalho, operação em todos os sentidos.
No campo íntimo, o exercício é mais difícil no que tange à felicidade, e se o que se faz por dentro reflete o que vai por fora, é necessário que tenhamos boa vontade nessa caridade, de aproveitamento.
Se queres avançar na grandeza divina, se estás preparado, passa a esforçar-te no campo da mente e da alegria, e que essa alegria cresça, dando segurança para quem se esforçar.
Compreendemos que Deus deu início à vida gerando esforços e criando-a, e essa vida carrega consigo a força de cocriar a sua própria felicidade.
Não deixes para amanhã o que podes começar hoje mesmo.
Esforça-te todos os dias, conquistando o bem-estar na paz, no entendimento, no amor, no perdão e assim, sucessivamente, porque quem já tem paz no coração conquistou-a pelo preço do trabalho na luz de Deus, refletida no Cristo. Jesus veio nos ensinar os meios, senão todos os métodos, de compreender a nós mesmos e entender as leis naturais do Criador.

Livro: “Páginas Esparsas 2”, de João Nunes Maia, pelo Espírito Bezerra de Menezes

terça-feira, 8 de março de 2016

Vem, Hoje - João Cleofas


O convite do Senhor é claro e vazado em termos de síntese:
"Vem hoje trabalhar na minha Vinha!"
Hoje, na Vinha do Senhor, é o imperativo para que produzamos no bem,
a fim de que, no futuro, possamos recolher na messe da luz a contribuição
da claridade que esparzimos.
Nesse sentido, o apelo do Mestre determina, também, o campo de trabalho.
Nem a esfera da divagação filosófica nem o campo da investigação científica
incessante, nem a contemplação religiosa fantasista da oração inoperante.
A Sua Vinha são as dores do mundo, os tormentos e percalços, os mananciais
de lágrimas e os rios de sofrimento...
Refletir filosofando, perquirir examinando, para crer ajudando.
"Vem hoje trabalhar na minha Vinha", ainda é apelo para nós, dos mais
veementes e concisos.
Eis um ângulo da Vinha do Senhor no qual somente os afervorados discípulos
se dispõem a trabalhar: o inadiável socorro aos irmãos desencarnados em
aflição pelo contributo do intercâmbio mediúnico. Ante eles, nem o azedume
do fastio emocional, nem a prepotência da vaidade humana, tão pouco a
imposição do desequilíbrio.
A palavra de ordem, o roteiro de fé e a compreensão fraterna do trabalhador
que na Vinha do Senhor não tem outra meta senão ajudar a fim de ajudar-se,
eficazmente, porquanto amanhã estará, também, transitando pelos mesmos
caminhos.

Livro: Depoimentos Vivos - Divaldo Pereira Franco / João Cleofas

Paz em nós - Emmanuel

A paz em nós não resulta de circunstâncias externas e sim da nossa tranquilidade de consciência no dever cumprido e é preciso anotar que o dever cumprido é fruto da compreensão.
Compreender significa, na essência, desculpar as pessoas que nos cercam, nas oposições que nos façam e esquecer as ocorrências que nos mostrem adversas, a fim de que nos mantenhamos fiéis à tarefa que se nos indica.
Não te conturbem a censura ou a crítica dos outros no desempenho das obrigações que a vida te assinala, porquanto se aceita os próprios compromissos no bem geral, esses compromissos dizem respeito a ti mesmo e não aos que te observam, nem sempre com lógica e segurança.
Em qualquer atividade edificante, convém lembrar que ideias e palavras, ações e atitudes dos outros pertencem a eles e não a nós.
No critério de reciprocidade, é justo recordar que não nos sé lícito violentar essa ou aquela pessoa com opiniões e medidas tendentes a sufocar-lhes a personalidade.
As discussões auxiliam em muitos casos de assuntos obscuros ou de companheiros desinformados, mas servir aos semelhantes, doando-lhes, o melhor de nós, é o argumento decisivo para clarear os agentes de solução a qualquer problema.
Para colaborar no interesse do bem de todos, é imperioso olvidar-nos naquilo que as induções ao egoísmo nos impulsionem a titubear, ante as obrigações que a vida nos traça.
Ainda que todos o elementos exteriores se te revelem contrários à ação que desenvolves, é perfeitamente possível guardar a própria serenidade, desde que saibas entender pessoas e situações, deixando-as onde se coloquem e seguindo para a frente com o trabalho que te compete.
A paz em nós — repitamos — nasce da compreensão em serviço e a compreensão em serviço é mantida pela tolerância para com os erros alheios e até pela auto-aceitação dos nossos próprios erros, de modo a sabermos corrigi-los sem tumulto e perda de tempo.
Em suma, enquanto não soubermos perdoar, não seremos livres para submeter-nos à prática do bem, segundo as Leis de Deus.

De “Calma”, de Francisco Cândido Xavier, pelo Espírito Emmanuel

segunda-feira, 7 de março de 2016

Força interior - Hammed


Não menosprezes a força interior que Deus te conferiu como dom natural.
Essas energias superiores estão em ti, basta somente que as liberte e um fluxo energético te guiará melhor ante tua própria existência.
O acontecimento não é o que ocorreu, mas sim o que fazes com aquilo que ocorreu. Podes tornar pior ou suavizar tuas tribulações pelo jeito com que reages a elas.
Tua dor será sanada.
Teu conflito, extirpado.
Tua ansiedade, apaziguada.
Tuas buscas sempre encontrarão porto feliz.
Usa abundantemente tua luz interior e terás maior lucidez e discernimento em tua casa mental.
As soluções fluirão mais fáceis, se te integrares nesta força íntima que habitam em ti, pois és herdeiro de Deus.
Ele habita em teu âmago; busca-O, e essas potencialidades divinas estarão mais disponíveis em ti mesmo.
Assim, a harmonia e a serenidade estarão contigo, reforçando o elo que te ligara Divina Providência.

Hammed / psicografia de Francisco do Espírito Santo Neto

Sintonia - Emmanuel

As bases de todos os serviços de intercâmbio, entre os desencarnados e encarnados, repousam na mente, não obstante as possibilidades de fenômenos naturais, no campo da matéria densa, levados a efeito por entidades menos evoluídas ou extremamente consagradas à caridade sacrificial.
De qualquer modo, porém, é no mundo mental que se processa a gênese de todos os trabalhos da comunhão de espírito a espírito.
Daí procede a necessidade de renovação idealística, de estudo, de bondade operante e de fé ativa, se pretendemos conservar o contato com os Espíritos da Grande Luz.
Simbolizemos nossa mente como sendo uma pedra inicialmente burilada.
Tanto quanto a do animal, pode demorar-se, por muitos séculos, na ociosidade ou na sombra, sob a crosta dificilmente permeável de hábitos nocivos ou de impulsos degradantes, mas se a expomos ao sol da experiência, aceitando os atritos, as lições, os dilaceramentos e as dificuldades do caminho por golpes abençoados do buril da vida, esforçando-nos por aperfeiçoar o conhecimento e melhorar o coração, tanto quanto a pedra burilada reflete a luz, certamente nos habilitamos a receber a influência dos grandes gênios da sabedoria e do amor, gloriosos expoentes da imortalidade vitoriosa, convertendo-nos em valiosos instrumentos da obra assistencial do Céu, em favor do reerguimento de nossos irmãos menos favorecidos e para a elevação de nós mesmos às regiões mais altas.
A fim de atingirmos tão alto objetivo é indispensável traçar um roteiro para a nossa organização mental, no Infinito Bem, e segui-lo sem recuar.
Precisamos compreender - repetimos - que os nossos pensamentos são forças, imagens, coisas e criações visíveis e tangíveis no campo espiritual.
Atraímos companheiros e recursos, de conformidade com a natureza de nossas idéias, aspirações, invocações e apelos.
Energia viva, o pensamento desloca, em torno de nós, forças sutis, construindo paisagens ou formas e criando centros magnéticos ou ondas, com os quais emitimos a nossa atuação ou recebemos a atuação dos outros.
Nosso êxito ou fracasso dependem da persistência ou da fé com que nos consagramos mentalmente aos objetivos que nos propomos alcançar.
Semelhante lei de reciprocidade impera em todos os acontecimentos da vida.
Comunicar-nos-emos com as entidades e núcleos de pensamentos, com os quais nos colocamos em sintonia.
Nos mais simples quadros da natureza, vemos manifestado o princípio da correspondência.
Um fruto apodrecido ao abandono estabelece no chão um foco infeccioso que tende a crescer, incorporando elementos corruptores.
Exponhamos a pequena lâmina de cristal, limpa e bem cuidada, à luz do dia, e refletirá infinitas cintilações do Sol.
Andorinhas seguem a beleza da primavera.
Corujas acompanham as trevas da noite.
O mato inculto asila serpentes.
A terra cultivada produz o bom grão.
Na mediunidade, essas leis se expressam ativas.
Mentes enfermiças e perturbadas assimilam as correntes desordenadas do desequilíbrio, enquanto que a boa vontade e a boa intenção acumulam os valores do bem.
Ninguém está só.
Cada criatura recebe de acordo com aquilo que dá.
Cada alma vive no clima espiritual que elegeu, procurando o tipo de experiência em que situa a própria felicidade.
Estejamos, assim, convictos de que os nossos companheiros na Terra ou no Além são aqueles que escolhemos com as nossas solicitações interiores, mesmo porque, segundo o antigo ensinamento evangélico: - “teremos nosso tesouro onde colocamos o coração”.

Livro: Roteiro - Espírito Emmanuel - Psicografia de Francisco Cândido Xavier

domingo, 6 de março de 2016

Conversar - Emmanuel

O gosto de conversar retamente e as palestras edificantes caracterizam as relações de legítimo amor fraternal.
As almas que se compreendem estimam as conversações afetuosas e sábias.
A palavra precede todos os movimentos nobres da vida. Tece os ideais do amor, estimula a parte divina, desdobra a civilização, organiza famílias e povos.
Jesus legou-nos o Evangelho conversando.
Pela perda do gosto de conversar com alguém, pode o homem avaliar se está caindo ou se o amigo estaciona em desvios inesperados.
Há os que desfiguram o dom sagrado do verbo: são os amantes do ridículo, da zombaria e dos falsos costumes.
A palavra, porém, é dádiva santa que, ainda aí, revela a qualidade do espírito que a insulta e desfigura, colocando-o no lugar que lhe cabe nos quadros da vida.
Conversar é possibilidade sublime e por tua conversação serás conhecido.

Livro: Caminho, Verdade e Vida - Emmanuel / Médium Francisco Cândido Xavier

Tuas Dificuldades - Emmanuel

Imagina como seria difícil de suportar um educandário em que os alunos tão-somente soubessem chorar na hora do ensino.
Consideremos, pois, a Terra nossa escola multimilenária, cumprindo-nos receber-lhe as dificuldades por lições úteis e objetivas.
Diante dos obstáculos, ninguém precisa fixar-se no lado escuro que apresentem.
Um náufrago, ao sabor das ondas, não se lembrará de examinar o lodo no fundo das águas, mas refletirá no melhor meio de alcançar a terra firme.
Minuto de queixa é minuto perdido, arruinando talentos preciosos para a solução dos problemas.
Toda prova aparece para elastecer-nos a força e aperfeiçoar-nos a experiência.
Quase toda dificuldade implica sofrimento e sofrimento, mormente os que não criamos, redunda em renovação e auxílio para nós mesmos.
Encaremos os obstáculos da vida sem receio. Cada qual deles nos traz mensagem determinada: um desafia a paciência; outro pede amor...
Compreende e suporta, constrói e beneficia.
Tuas dificuldades – tuas bênçãos.

Livro: Coragem - Emmanuel / Médium Francisco Cândido Xavier

sábado, 5 de março de 2016

Em Favor de Você - André Luiz

Trabalhe sempre, mas não fuja ao serviço que você já iniciou.
Ajude a todos, mas não se esqueça dos deveres imediatos.
Sofre resignado, mas não faça ninguém sofrer
Exalte o perdão, mas olvide o ressentimento.
Auxilie a quem errou, mas não esmiúce o erro do próximo.
Procure acertar, mas não desculpe a própria irreflexão.
Busque o êxito, mas regozije-se com a vitória os outros.
Troque ideias, mas não censure aquilo que você não entende.
Estude o que puder, mas não recuse aplicar a lição nobre.
Assuma compromissos, mas não deixe ninguém a esperar por você.
Escreva aos amigos, mas não exija resposta.
Guarde eficiência, mas não viva apressado.
Use o dinheiro, mas não abuse.
Cultive a bondade, mas cria a própria disciplina para o serviço do bem.

André Luiz
Livro: “Ideal Espírita”, de Francisco Cândido Xavier – Autores diversos


sexta-feira, 4 de março de 2016

Emmanuel - Perante a Reencarnação

Não perderás tempo, reclamando contra a vida.
Na hipótese de que te empenhes realmente pela aquisição do conhecimento
espírita, reflete na lei da reencarnação.
És um espírito eterno envergando temporária forma física, à maneira de um
servidor vestindo uniforme de trabalho, francamente deteriorável e passageiro.
Observa os próprios hábitos e tendências e perceberás o que foste nas
existências passadas.
Analisa os que te rodeiam, no círculo doméstico-social e identificarás com quem
te comprometeste para sanar os próprios débitos ou traçar a própria senda de elevação.
Estuda o quadro que te emoldura as atividades e anotarás de que ponto deves
partir em demanda à melhoria.
Sobretudo, é preciso ponderar que se ninguém nasce para o mal, muito menos
renascerá para reconstituí-lo ou reafirmá-lo.
Um aluno repete o currículo de lições no objetivo de ganhar a frente, não para
acomodar-se à retaguarda.
Convence-te de que retornamos à Terra com o fim de ampliar os valores do
bem, cada vez mais.
Indispensável corrigir-nos naquilo que erramos.
Replantar dignamente a leira do destino que relegamos outrora ao relaxamento.
Levantar aqueles que impelimos à queda.
Amar os que aborrecemos.
Acender alegria nos corações que encharcamos de lágrimas.
Estás hoje no lugar e na posição em que podes claramente doar à vida, na
pessoa dos outros, tudo aquilo que és capaz de sentir, pensar, falar ou fazer de melhor.

Livro: No Portal Da Luz – Francisco Cândido Xavier / Emmanuel

Na Intimidade Doméstica - Emmanuel


A história do bom samaritano, repetidamente estudada, oferece conclusões sempre novas.
O viajante compassivo encontra o ferido anônimo na estrada.
Não hesita em auxiliá-lo.
Estende-lhe as mãos.
Pensa-lhe as feridas.
Recolhe-o nos braços sem qualquer ideia de preconceito.
Conduz-lo ao albergue mais próximo.
Garante-lhe a pousada.
Olvida conveniências e permanece junto dele, enquanto necessário.
Abstém-se de indagações.
Parte ao encontro do dever, assegurando-lhe a assistência com os recursos da própria bolsa, sem prescrever-lhe obrigações.
*
Jesus transmitiu-nos a parábola, ensinando-nos o exercício da caridade real, mas, até agora, transcorridos quase dois milênios, aplicamo-la, via de regra, às pessoas que não nos comungam o quadro particular.
Quase sempre, todavia, temos os caídos do reduto doméstico.
Não descem de Jerusalém para Jericó, mas tombam da fé para a desilusão e da alegria para a dor, espoliados nas melhores esperanças, em rudes experiências.
Quantas vezes surpreendemos as vítimas da obsessão e do erro, da tristeza e da provação, dentro de casa!
Julgamos, assim, que a parábola do bom samaritano produzirá também efeitos admiráveis, toda vez que nos decidirmos a usá-la, na vida íntima, compreendendo e auxiliando os vizinhos e companheiros, parentes e amigos, sem nada exigir e sem nada perguntar.

Emmanuel
Livro: “Luz no Lar”, de Francisco Cândido Xavier, por diversos Espíritos

quinta-feira, 3 de março de 2016

Cadáveres - Emmanuel

“Pois onde estiver o cadáver, ai se ajuntarão as águias.” — (Mateus, Capítulo 24, Versículo 28.)

Apresentando a imagem do cadáver e das águias, referia-se o Mestre à necessidade dos homens penitentes, que precisam recursos de combate à extinção das sombras em que se mergulham.
Não se elimina o pântano, atirando-lhe flores.
Os corpos apodrecidos no campo atraem corvos que os devoram.
Essa figura, de alta significação simbológica, é dos mais fortes apelos do Senhor, conclamando os servidores do Evangelho aos movimentos do trabalho santificante.
Em vários círculos do Cristianismo renascente surgem os que se queixam, desalentados, da ação de perseguidores, obsessores e verdugos visíveis e invisíveis.
Alguns aprendizes se declaram atados à influência deles e confessam-se incapazes de atender aos desígnios de Jesus.
Conviria, porém, muita ponderação, antes de afirmativas desse jaez, que apenas acusam os próprios autores.
É imprescindível lembrar sempre que as aves impiedosas se ajuntarão em torno de cadáveres ao abandono.
Os corvos se aninham noutras regiões, quando se alimpa o campo em que permaneciam.
Um homem que se afirma invariavelmente infeliz fornece a impressão de que respira num sepulcro; todavia, quando procura renovar o próprio caminho, as aves escuras da tristeza negativa se afastam para mais longe.
Luta contra os cadáveres de qualquer natureza que se abriguem em teu mundo interior. Deixa que o divino sol da espiritualidade te penetre, pois, enquanto fores ataúde de coisas mortas, serás seguido, de perto, pelas águias da destruição.

Obra: Pão Nosso
Emmanuel / Francisco CÂndido Xavier

A Boa Parte - Emmanuel


Não te esqueças da "boa parte" que reside em todas as criaturas e em todas as coisas.
A pedra é contundente, mas consolida a segurança.
A ventania açoita impiedosa, todavia, ajuda a renovação.
Assim também há criaturas que, em se revelando negativas em determinados setores da luta humana, são valiosas em outros.
A imperfeição completa, tanto quanto a perfeição integral, não existem no plano em que evoluímos.
O criminoso, acusado por todos, amanhã poderá ser o que te estende o copo d’água.
O companheiro, no qual descobres uma faixa de trevas, pode ser depois o irmão sublimado a lhe oferecer o bom exemplo.
A tempestade do agora é, muitas vezes, a fonte do bem-estar das horas que vamos viver.
Busquemos o lado melhor das situações, dos acontecimentos e das pessoas.
Quem procura a "boa parte" e nela se detém, recolhe no campo da vida o tesouro espiritual que jamais lhe será roubado.

Livro: Fonte Viva - Emmanuel / Médium Francisco Cândido Xavier

Indagações a nós Mesmos - André Luiz

Que seremos na casa de nossa fé, em companhia daqueles que comungam conosco o mesmo ideal e a mesma esperança?
Uma fonte cristalina ou um charco pestilento?
Um sorriso que ampara ou um soluço que desanima?
Uma abelha laboriosa ou um verme roedor?
Um raio de luz ou uma nuvem de preocupações?
Um ramo de flores ou um galho de espinhos?
Um manancial de bênçãos ou um poço de águas estagnadas?
Um amigo que compreende e perdoa ou um inquisidor que condena e destrói?
Um auxiliar devotado ou um expectador inoperante?
Um companheiro que estimula as particularidades elogiáveis do serviço ou um censor contumaz que somente repara imperfeições e defeitos?
Um pessimista inveterado ou um irmão da alegria?
Um cooperador sincero e abnegado ou um doente espiritual, entrevado no catre dos preconceitos humanos, que deva ser transportado em alheios ombros, à feição de problema insolúvel?
Indaguemos de nós mesmos, quanto à nossa atitude na comunidade a que nos ajustamos, e roguemos ao Senhor para que o vaso de nossa alma possa refletir-lhe a Divina Luz.


Livro: Correio Fraterno – Francisco Cândido Xavier / André Luiz
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...